O cão como sistema de segurança
O cão como sistema de segurança
O cão como sistema de segurança
Cão de Guarda

O cão como sistema de segurança

Jairo Teixeira
escrito por
Jairo Teixeira

Vivemos dias maus infelizmente, e a realidade nos exige cada vez mais tomar medidas em busca de garantir a segurança nossa e das pessoas que amamos.

Existem várias opções a disposição no mercado, como: alarmes, cercas elétricas, câmeras, vigilantes, armas e até artes marciais e cursos de defesa pessoal.

Creio que todas as alternativas tem o seu valor e tudo se resume em custo/benefício.

Porém, mesmo sendo suspeito para falar, não temo afirmar que continuo acreditando que o cão se encontra no topo da lista.

Bom, quando eu afirmo isso, eu não estou me referindo a qualquer cachorro, sem raça definida (SRD), amarrado em uma corrente no fundo do quintal.

Não que esse não tenha valor algum, pois ainda assim prefiro um SRD qualquer a não ter cachorro nenhum.

Mas, eu me refiro a um cão selecionado para desempenhar um papel único na proteção de pessoas e territórios. Um animal versátil que possa ser uma companhia em passeios a pé, de bicicleta ou no automóvel.

A maioria das pessoas não tem a mínima idéia do quão útil e eficaz pode ser um cão de segurança desde que seja um bom exemplar, com bom temperamento, e, claro, com o treinamento adequado.

Sim, porque de nada adianta adquirirmos um animal de ótima genética e não o capacitarmos para desempenhar as suas funções de guardião. Tudo isso tem um custo, mas um bom cão vai nos servir por pelo menos 8 anos.

“É como ter um segurança pessoal e patrimonial ao custo de um saco de ração por mês”

Umas das vantagens no uso do cão como opção de segurança é o aspecto prevenção.

Qualquer “candidato”  que pretenda invadir uma casa vai imediatamente mudar de idéia ao perceber a presença  de um majestoso  animal, de aparência ameaçadora deitado à porta da casa.

Especialmente se esse animal devidamente adestrado dorme no interior da residência durante a noite.

Eu sempre fiz questão que meus cães dormissem no meu quarto.

Em primeiro lugar porque ninguém vai entrar no meu pátio sem que eu saiba pois meus cães dão alarme (um rosnado baixo) a qualquer ruido estranho que ouçam.

Em segundo lugar porque, quem vai ser a pessoa louca o suficiente para entrar no interior de uma casa, um ambiente desconhecido, onde vai encontrar um ou dois cães treinados para entrar em luta corporal, familiarizados com esse ambiente e  na mais completa escuridão? Acho muito difícil.

Aliás, isso é uma dica, mantenha a propriedade o mais escura possível durante a noite pois isso dá vantagem ao cão de guarda e infunde mais temor ao invasor.

Todos tem medo do escuro quando não sabem o que vão encontrar.

Nessa hora as pessoas me perguntam: mas e se o invasor estiver armado?

Bom, aí eu devidamente alertado pelos meus cães, de arma na mão, vou avisar o incauto que já estou ciente de sua presença e que a melhor opção é ele pular o muro para fora do meu terreno pois já liguei para a polícia e que não é interessante ele enfrentar um homem armado com dois cães treinados pois a vantagem obviamente é minha.

Se precisar ser mais claro basta um tiro para o alto e a situação muda na hora.

De qualquer forma, se eu tiver que optar entre possuir um cão ou uma arma eu ainda fico com o cão pois não adianta eu ter uma arma e acordar com um invasor apontando a sua para a minha cabeça.

Mas por outro lado com um cão para me avisar que  há alguém lá fora eu tenho opções de soar um alarme, gritar, ligar para a polícia, me trancar em uma sala de segurança, ou até fugir de casa pelo lado oposto da invasão e buscar socorro.

E as estatísticas estão do meu lado, é sabido que os criminosos temem mais os cães do que homens armados.

Pelo fato de que no que se refere a usar uma arma contra  outro ser humano um criminoso leva vantagem por já estar acostumado com essa realidade e “não ter nada a perder”.

Já para um pai de família a coisa não é tão simples assim. Por outro lado, quando se trata de um cão determinado a coisa é matar ou morrer pois um animal treinado  não tem consciência da morte e vai atacar sem vacilar.

E existem vários relatos de cães que mesmo feridos por balas ou facas dominaram, expulsaram e até mataram invasores vindo a morrer logo após em consequência desses ferimentos.

Outro detalhe é que um invasor não quer fazer alarde e  tiros acabam avisando a vizinhança.

Fato é, e talvez o mais relevante, que um bom cão muda a equação forçando qualquer mal intencionado a pensar duas vezes antes de qualquer atitude.

Então se você estiver pensando em melhorar a sua segurança analise a possibilidade de usar cães.

Com a orientação correta, bons animais, e um bom adestramento seguramente você não vai se decepcionar.

“A única segurança que realmente existe é Deus, mas por alguma razão Deus criou o cão.”

Deixe seu comentário

Postagens relacionadas

Bandog Brasil - Adestramento de Cães | Aprenda como Adestrar seu cão
A minha opinião sobre o DOGO ARGENTINO - Cão de Guarda

Cão de Guarda

A minha opinião sobre o DOGO ARGENTINO

O Dogo Argentino é uma raça que já provou seu valor no combate contra cães, na caça grossa e contra humanos. Um animal cujo perfil se assemelha aos Bandogs do passado. Forjado a “ferro e fogo” tem despertado por décadas a paixão dos admiradores de cães funcionais.

Você quer um site incrível como este?
Sim eu quero!
Shares